Crianças de personalidade forte - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Crianças de personalidade forte

Criação e educação são responsáveis por maior parte da conduta humana, portanto investimento nestes quesitos é indispensável

17 de Julho de 2017
7 comentários

Pensantes, críticas, decididas e argumentadoras... Desta forma se revelam algumas crianças já nos seus primeiros anos de vida... Antes de acolher qualquer direcionamento, questionam, se negam e buscam testar até onde conseguem ir. Atitude contemporânea? Temperamento forte? Muitos pequenos são assim, ainda mais quando estão motivados por informações e recursos tecnológicos desde seu nascimento! Estudos mostram que 30% da conduta humana é determinada pela genética... Porém, a criação e a educação influenciam a personalidade, em sua maioria.

Foto: Arquivo Pessoal

Por aqui, meu filho que está prestes a completar 5 anos, normalmente assume liderança em grupo, gosta de mostrar-se independente e dono do próprio nariz no convívio social... Exige poda, lapidação, incansavelmente nestas ocasiões... É preciso o olho no olho, a conversa firme e franca! É do tipo que respeita, mas cobra explicações... Questiona, quer respostas práticas, não se contenta com o que não compreende... pede esclarecimentos... Não fica com dúvida. Aliás, quem? Têm dias que me canso, não quero cobrar o tempo todo, dou linha na pipa para que eu e ele respiremos... também preciso ceder, aprender a receber a negativa e refletir sobre ela. Às vezes, só quer ser ouvido!

Desde muito cedo, as crianças se opõem ao “não”. Berram, esperneiam, choram, se jogam no chão, em frente a estranhos e conhecidos. A birra é a forma que encontram para lidar com o turbilhão de sentimentos e mostrar a frustração diante de ter a vontade negada ou vetada, até mesmo por sua segurança. Eles não têm noção do perigo, do risco, das consequências…

Entre o primeiro e o terceiro ano de vida, aqui, as cenas eram corriqueiras. E nestas horas, a princípio, a gente não sabia o que fazer, principalmente em ambientes públicos. A dúvida era se ignorava, corrigia ou enfiava a cabeça no primeiro buraco que encontrasse. Gênio forte não pode ser sinônimo de desobediência!

No início, por falta de informação, pareceu tão difícil, incontrolável... Nesta fase, as crianças mergulham na terrível adolescência infantil, já abordado em artigos anteriores, uma tenebrosa crise dos dois anos, que parece não acabar nunca. E lembra-se daquela frase "O dia em que você for pai, vai entender". Pois é, a gente descobre isso logo que os pequenos nascem... E, com medo do julgamento social, trava. Se corrigimos em meio aos outros, somos condenados e, se não fizermos nada, da mesma forma “cravam pregos nas mãos e pés”.

Pois bem, a melhor forma de vencer a birra é entendê-la como um feedback emocional, que deve ser contornado e resolvido pelo adulto, pois nem mesmo a criança sabe como lidar com seus sentimentos. Há aqueles que se utilizam de unhadas, mordidas e tapas, atitudes comuns nesta fase... Ajudá-los a se controlar é a melhor saída nestas ocasiões. Também não perca o controle da situação, saia do ambiente, se necessário, espere a criança se acalmar e depois converse. Ameaçar ou mesmo partir para a agressão física não funciona.

As explosões emocionais devem ser bem interpretadas pelos pais, que não podem comparar a conduta dos filhos com outros da mesma faixa etária. Aliás, cada um reage de um jeito. Não presos ao fato de que se o comportamento humano é influenciado em sua maioria pela genética ou o ambiente, educar um filho requer paciência, entendimento das necessidades, humildade, respeito, amor... É uma troca de experiências e vivências... Quantos irmãos que desfrutam da mesma educação paterna e materna se constroem totalmente diferentes? E se ainda nos falta maturidade em muitas ocasiões. Imaginam a eles? Sem poções mágicas, nem sempre acertamos... mas seguimos no objetivo de não anularmos sua personalidade ao educá-los!

* Os textos só podem ser reproduzidos mediante autorização do autor e desde que citada a fonte.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 7 COMENTÁRIOS

Claudia

25 de Julho de 2017

Muito boa sua reflexão, Leandro Concordo com você. É preciso paciência, carinho e diálogo. Não é fácil, mas vale a pena Adorei a foto! Bjs

Mariana

19 de Julho de 2017

Parabens pelo post aqui conversamos sempre tudo é explicado aqui em casa. O respeito é sempre ensinado em casa e o porque da atitude que tomamos.

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Essa troca é muito importante, Mariana, tendo em vista que a criança sempre saberá a razão da orientação. E não viverá de respostas como "porque não!"

ADRIANO

19 de Julho de 2017

Paciência, paciência e paciência! Nesta fase estão descobrindo tudo e principalmente a si mesmo, normal estas impulsos. Cabe à nós conduzir de forma que não prejudique a ele e aos próximos!

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Tem toda razão. São normais! Aos poucos, eles conhecerão, de fato, a razão pela qual são direcionados.

Regina

18 de Julho de 2017

Adorei o texto! Aqui tenho duas filhas com personalidades bem diferentes, e observo que muito é reflexi do ambiente e do que ela recebe de orientações, de amor e de atenção!!!!! Minha caçula tem o temperamento mais forte, mas está crescendo e começando a entender que não pode tudo e que tem que respeitar as normas e os outros.

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Como os dedos das mãos, os filhos não são uns como os outros, não é Regina? Assim, aprendemos a aprender com eles, também!

Tatiane Lopes

18 de Julho de 2017

É lendo sobre seu filho muito lembrei da minha, aqui a personalidade sempre foi e é "forte"! Opiniões, expressão, dúvidas, esclarecimentos estão sempre presentes no nosso cotidiano. Com amor, paciência e conduzindo estamos sempre nos entendendo e respeitando os espaços como deve ser

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Limites e compreensão conduzem melhor a relação, que pode ser de troca e não de imposição. Obrigado por compartilhar, Tatiane.

Pablo Ozorio

17 de Julho de 2017

Concordo. Crianças estão em formação, tanto física quanto emocional. Precisam ser amadas, sentir seguras e nas situações mais difíceis, uma boa conversa. Os pais tbm precisam mostrar autoridade respeitando o espaço do menor. É o que penso em relação ao tema. Aguardando o próximo artigo...

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

É isso mesmo, meu amigo. Assim, com equilíbrio, conseguiremos conduzi-los para uma formação saudável, emocionalmente.

Fernando Alvarenga

17 de Julho de 2017

Vc descrevendo ele, me via pequeno meus pais me descrevendo. Personalidade é isso. Opinião, atitude. Texto esclarecedor.

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Tão bom quando a gente se encontra no outro! Obrigado, Fernando!

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.