Minha lição na paternidade... - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Minha lição na paternidade...

O fato de não saber o que fazer e como lidar com um bebê não pode ser motivo para se negar à divisão de afazeres com a mãe

12 de Junho de 2017
6 comentários

Meus pais sempre trabalharam fora de casa. Desde cedo, fomos orientados a organizar o quarto, a obedecer a minha tia, que cuidava de mim, das minhas duas irmãs mais novas e do nosso lar. Quando tinha perto de dez anos, ela precisou nos deixar para constituir sua família. Outras funcionárias até foram testadas, mas não duraram muito tempo. Então, chegou a hora de colocar a mão na massa. Foi aí que iniciei meus treinamentos na paternidade.

Foto: Arquivo Pessoal

Com duas meninas, mesmo que minha mãe deixasse preparada nossa rotina, os cuidados, sobretudo com a caçula, era extremo. Nossa diferença de idade é de seis anos. Ela era do tipo que pulava o muro para jogar bola na rua, escalava grades e me exigiu atenção especial. Para complicar, a cada choro, perdia o fôlego, e só o retomava após uns chacoalhões. Foi assim que aprendi! Enquanto as meninas brincavam de bonecas, eu de vida real. Menstruação, TPM e outros papos de mulheres não viraram tabu para mim, que as acompanhei desde a infância.

Naquela rotina, crescemos nos auxiliando, aprendendo os trabalhos domésticos e recebendo o direcionamento para a vida adulta. Hoje, pergunto quantas crianças teriam a oportunidade de vivenciar esta experiência? Poucas, ou aquelas com vida mais humilde, cujos pais precisam trabalhar fora e a única opção é o irmão mais velho para cuidar dos demais... Foi assim conosco. E com você?

Posso assegurar que este carinho que tivemos de um irmão com o outro reflete em nosso dia-a-dia, convivência e união familiar. Exercitamos desde sempre o respeito, a compreensão das diferenças, limitações e o partilhar de sentimentos e bens materiais.

Cheguei à paternidade de fato com o exercício de casa feito. Ou, pelo menos, alguns treinos. Portanto, considero relevante ofertar às nossas crianças a mesma oportunidade de praticarem o cuidado com o próximo, a divisão de tarefas domésticas e, o dia a dia, é o maior aliado neste treinamento. Não espere aparecer um curso de capacitação, com um especialista máster no assunto. Faça você mesmo!

A minha experiência garantiu “jeito” com meus meninos. Não pareceu bicho-de-sete-cabeças quando eles chegaram à minha vida. Ao mesmo tempo, a abertura e o apoio da mãe para que eu colocasse em prática todos os meus anseios de pai foi indispensável neste processo. Confesso que não deve ter sido fácil até mesmo para minha esposa, pois muitas vezes que eu me dispunha a trocar uma fralda, em ambiente familiar ou público, por exemplo, alguns olhares apontavam para o questionamento: “Mas ele vai fazer isso?”, “Por qual razão, não você?”.

“Na minha época, homem não colocava a mão em bebê”, “Seu marido é um paizão”, “Ele sabe o que fazer se o bebê chorar?”, “Homem cuidando de criança nunca deu certo”... Estas foram algumas das muitas frases que ouvimos a cada vez que eu exercitava meu simples e nada mais do que obrigatório papel de pai. Ah, ela dedica muito mais tempo que eu a eles, por que não dividirmos as funções e evitarmos sobrecarga? Criar e educar filhos também é parceria.

Compreender os aspectos culturais e, até mesmo, machistas e feministas, que envolvem esta questão, foi indispensável para otimizar e interpretar o elevado fluxo de informação, críticas e questionamentos que nos alcançaram.

Ao pai de primeira viagem, o fato de não saber o que fazer e como lidar com um bebê não pode ser motivo para se negar à divisão de afazeres com a mãe. Mesmo que ele não tenha experimentado de outras experiências, como as minhas, por exemplo, no passado, ninguém nasce sabendo e só não aprende quem não quer!

Na prática tudo se ajeita. É sujando o dedo na troca de fralda, colocando a roupa do avesso ou o calçado errado, fazendo a papinha sem sabor, segurando o bebê de forma desengonçada, como uma estátua, é lidando com a vida real, solucionando problemas na medida em que surgem, ter humildade para pedir socorro quando necessário... até conquistar autoconfiança, transmitir confiança àqueles de convivência e, consequentemente, conduzir com leveza esta arte tão natural da qual temos a chance e obrigação de participar plenamente. Até acertar pode ser necessário errar.

Vivemos a era da transformação social, de fomento à paternidade presente, ativa e responsável. Talvez, em pouco tempo, nem precisemos mais usar estas classificações... elas segmentam a sociedade, proposta contrária às nossas pretensões... Então, não hesite, seja PAI.

* Os textos só podem ser reproduzidos mediante autorização do autor e desde que citada a fonte.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 6 COMENTÁRIOS

Regina

20 de Junho de 2017

Adoro a forma como você escreve e suas escolhas de temas a serem abordados!!!!

Luciana

16 de Junho de 2017

Muito bom relembrar tudo isso Lê, fomos crianças responsáveis chegamos a fase adulta bem preparados com bastante experiência em alguns afazeres

MARCOS ROMEU

13 de Junho de 2017

Aqui foi bem tranquilo a chegada da paternidade. Aproveitei o período de gravidez da mamãe para estudar sobre o assunto, quando a Tarsila, chegou, ja me sentia preparado para assumir o controle.

Rafael

13 de Junho de 2017

Comigo não estava nada preparado, nem pro nascimento nem pros cuidados do dia a dia. Mas com um mínimo de vontade a gente aprende rápido os truques, algumas vezes errando, outras acertando, mas quanto mais participamos, mais aprendemos :)

Tia Nete

13 de Junho de 2017

Nossa, obrigada, Le, quando fui cuidar de você eu tinha 13 anos e você 3, a Lu já estava a caminho, depois mas uns anos veio a Ligia e foi uma loucura kkkk, mas aprendi e ensinei muito pra vocês, bom assim acredito né rs... Fiquei até os 19 anos. Me sinto um pouco mãe de vocês também. Mas eu só tenho a agradecer a Deus, pois ele já estava me preparando, Ele me fez uma mulher forte uma mãe experiente, para enfrentar tudo que estava por vir em minha vida. Amo vocês!

Gláucia Brás

13 de Junho de 2017

Leandro, passei por tudo isso também. Lembro que eu colocava o Gabriel encaixado na cintura e saía com ele para todo lado. Hoje me sinto mãe dele e deve ser por esse motivo Que nossa relação é extremamente forte. Somos um pelo outro e temos respeito mútuo pelo outro. Aqui em casa a cena está se repetindo, não exatamente como era mas alguns pontos são bem parecidos pois a Júlia fica com o Pedro quando não há aula e para todo lado que ela vai lá está o Pedro. Acho lindo esse amor entre eles

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.