O irmão mais velho - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

O irmão mais velho

Quando um bebê chega à família, traz consigo muita alegria, porém pode ser motivo de ciúme para a criança primogênita

10 de Abril de 2017
4 comentários

João Rafael, meu segundo filho, nasceu no dia 28 de março, às 8h. E quando um bebê desembarca na família, traz consigo um espetáculo de alegria. Já não bastasse toda grandeza natural da nova vida, há o banho de congratulações e mimos dos amigos e familiares. Todo paparico é sempre muito bem-vindo. Porém, pode ser motivo de ciúmes para o irmão mais velho, o que, por enquanto, não ocorreu por aqui. O preparo do João Guilherme, 4 anos, para o acolhimento do recém-nascido em nosso lar, favoreceu a receptividade.

Foto: Arquivo Pessoal

No início da gravidez, o ciúme se apresentou em muitas ocasiões. Foram cenas de birra, emburramento e rejeições a tudo que lhe era solicitado. Assim como na crise dos dois anos, na “terrible two”, foi necessário controlar algumas explosões emocionais. O irmão que ele pediu, agora, era recusado. Havia cheiro de mudanças no ar, do compartilhamento de sentimentos até então não vivenciado naquele lar, da perca da exclusividade. Paciência e muito diálogo o fizeram externar os sentimentos. E, desta forma, pudemos encontrar meios de ajudá-lo a lidar com toda insegurança.

Pouco tempo antes de engravidarmos, ele criou o irmão imaginário, deu nome e também fazia referência aos amigos da escola com irmãos. Recordamos estes cenários e incorporamos leituras, contação de histórias e muito diálogo ao nosso dia a dia nos últimos nove meses. A junção destas medidas favoreceu a compreensão do próprio ciúme e de que ele não perderia o trono, mas o dividiria, o que poderia ser mais prazeroso.

Incluí-lo em cada etapa do novo quarto, que partilharia com o irmão, da decoração, da escolha dos itens e disposição dos brinquedos, do enxoval e até mesmo no crescimento da barriga da mamãe funcionou. Atribuir responsabilidades, sem sobrecarregá-lo, também, fez elevar a autoestima e se sentir valorizado pelo trabalho que desenvolveu.

Desde a gestação do segundo filho, entendemos que o mais velho era a criança na casa e que precisaria de mais atenção no momento. Sendo assim, não removemos da agenda os momentos únicos dele e com ele, para que aprendesse a valorizar e entender a importância destes encontros no nosso desenvolvimento familiar. E que, embora houvesse indícios de transformações, ele continuaria recebendo todo nosso amor.

As obras literárias que envolvem a chegada de um bebê no novo lar são ótimas recomendações. Elas favorecem a imaginação, os questionamentos e a oportunidade de sanar dúvidas que assombram o pequeno. As livrarias estão abarrotadas delas, cheias de ilustrações.

No dia do nascimento, compramos dois presentes, para que eles trocassem entre si, que simbolizassem a demonstração de carinho pela ocasião em que se conheciam e que seriam muito bem-vindos à vida um do outro. Decidimos pelo mimo por entender que a crise do ciúme do início da gravidez já havia sido vencida e que aquela recordação material não “compraria” a emoção nem a aceitação do momento.

Com quase duas semanas desde a chegada do bebê, por ora, poucas mudanças contabilizadas. Algumas tentativas de regredir no comportamento para imitar o bebê são naturais. E se ocorrer por aí, não ridicularize a criança. Com sua orientação e carinho, ela perceberá que não precisa insistir nas imitações para acolher sua atenção. Todos pequenos sinais de ciúmes têm sido driblados por aqui. A vigilância ainda é constante. Amor demais pode machucar, uma vez que a criança ainda não compreende a fragilidade do bebê. Além de cuidar da organização de seus pertences, ele é convidado a ajudar nas tarefas: trocas de fraldas, no banho, acalentar...

O caminho da irmandade apenas começou. O instinto de proteção já foi incorporado por aqui. Que assim permaneça e tenhamos discernimento para driblar todas as intempéries naturais deste processo, que é emocionante, encantador e traz ainda mais sentido à razão de nossa existência. E lembre-se, se passar pelo mesmo processo com dificuldades, não tema em buscar ajuda profissional.

* Os textos só podem ser reproduzidos mediante autorização do autor e desde que citada a fonte.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 4 COMENTÁRIOS

Mariana Felix da Silva

13 de Abril de 2017

Leandro, Que texto fantástico, que bom que o João Guilherme assimilou bem toda a proposta de vocês. Sejam felizes!

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Obrigado, Mariana. Seja bem-vinda. Que a informação possa transformar nossos hábitos para nos tornarmos seres humanos melhores.

Natália Guirado T. Albino

11 de Abril de 2017

Que lindo texto, Leandro! Parabéns pelos papais que vocês são, tenho certeza que o Gui se sente muito amado tb, e vendo o carinho e a preocupação que tiveram com ele nesse período... continuem assim!!! Esse é um assunto que preocupa sempre os pais, é muito inportante abordar isso, sempre penso no irmão(a) quando vou visitar alguém tb!! Parabéns, lindo blog! Que Deus abençoe grandemente a Família de vocês!!!

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Natália, Muito obrigado pelo apreço e votos. Pensamos na nossa família como um todo e como o ato para um dos membros pode impactar em todos os demais. Assim, construímos coletivamente meios de atravessarmos cada situação da melhor forma... Amém. Deus abençoe!

Samanta Fraga

10 de Abril de 2017

Oi Leandro. Sou Samanta. Estou adorando o blog e me identificando muito com o conteúdo. Tenho um filho de 3 anos e quero mais um. Obrigada por compartilhar!

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Oi querida, Samanta. Obrigado pelo prestígio. Seja bem-vinda, sempre. Na torcida para que venha um próximo.

Pedro Paulo Mello

10 de Abril de 2017

Cara, Tivemos atitudes bastante parecidas por aqui e também funcionou. Hoje, meu maior tem 10 anos e o caçula 5 anos. Nunca enfrentamos ciúmes exacerbado, sempre lidaram bem com o espaço de cada. Parabéns pelo texto.

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Pedro, Sinal que o caminho traçado por aqui tem sido o correto. Que assim continuemos. Obrigado pela visita. Volte sempre!

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.