Preciso cortar o cordão umbilical - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Preciso cortar o cordão umbilical

Precisamos potencializar a capacidade do filho em enfrentar desafios, assumir responsabilidades e garantir autonomia e independência

16 de Dezembro de 2018
5 comentários

A penumbra dominava o quarto, já se passava das 22h e, sentado aos pés da cama do João Guilherme, 6 anos, eu permiti que as lágrimas descessem rosto abaixo enquanto ele adormecia. Na medida em que escorriam, minha memória resgatava cenas desde os primeiros dias em que aquele menino chegou à minha vida até a noite anterior em que deitei ao seu lado para que ele pegasse no sono.

Foto: Divulgação

Quando ele nasceu, uma das maiores dificuldades que eu e a mamãe encontramos foi a alteração na rotina do sono. O meu, muito leve, me fazia despertar a cada mamada, chorada, trocada de fralda... Pensei que se trataria de um cenário de uma ou duas semanas, no máximo, mas não! No início, não foi fácil, confesso. Embora tivesse de manter a paciência, pois tudo aquilo era novo para os três, o atraso no sono me deixou irritado e estafado.

A primeira vez que ele dormiu cinco horas seguidas na madrugada, tinha oito meses. Levantamos assustados para checar se estava tudo bem. Ah, que maravilha! Durou um dia só. Ele acordava de duas em duas horas para mamar no peito, dia e noite. Além do tempo em cada seio, os minutos para arrotar. Então, foi a vez da mamadeira, após um ano e um mês de vida, e os cochilos ficaram um pouco mais "profundos", mas nada que permitissem uma noite inteira sem levantar.

Buscamos tratamento médico, alteramos a rotina da casa, mas também nos entregamos ao cansaço e permitimos a cama compartilhada, o colchão no chão, a acordar ao seu lado na cama de solteiro, bem como dormir em quartos separados – eu e minha esposa -, após a chegada do irmão, na tentativa de aliviar a carga própria e alheia, além de lhe fazer companhia. Me lembro até da roupa usada do avesso e do desenho do galo colocado sob o travesseiro... Pura crendice, mas a avó falou e poderia funcionar. Nós tentamos...

Houve muitos avanços a também retrocessos... Muitos! Muitos mesmo! Todos na tentativa de acertar. Foram noites incansáveis de vaivém pela casa, de dormir sentado na ponta da cama, de sair de ponta dos pés do quarto dele e, em cinco minutos, vê-lo apontar na porta do nosso. Chacoalha, põe no cama, tira da cama, dá banho antes de dormir, regre o horário... Ufa! E meu menino cresceu, mas ainda hoje, muitas vezes, eu escuto a porta do meu quarto abrir, uma mão pequena tocar as minhas costas e uma voz doce sussurrar. “Pai, eu perdi o sono!”.

Nesta semana, eu decidi não deitar mais ao seu lado, ao mesmo tempo em que desmontei o berço do irmão, de 1,8 meses, e ambos dormiram em suas camas. E isso não quer declarar nenhuma falsa autossuficiência. Deitaremos juntos sempre que precisarmos, continuaremos contando histórias, fazendo nossas orações ou mesmo tendo a presença exigida no calar da noite.

Sem dramatização, o pai também precisa cortar o cordão umbilical! Ser em constante evolução, reconhecer a imaturidade que nos torna tão dependentes dos nossos filhos nos faz capaz de transformar qualquer tentativa de superproteção ou medo precoce de um futuro abandono físico e emocional (síndrome do ninho vazio) em potencialização da capacidade do filho em enfrentar desafios, assumir responsabilidades e garantir autonomia e independência. Sem culpa. E, se a lágrima rolar de vez em quando, está tudo bem!

 

* Os textos só podem ser reproduzidos mediante autorização do autor e desde que citada a fonte 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 5 COMENTÁRIOS

Jacqueline

27 de Dezembro de 2018

Oi,tudo bem ? Gostei bastante do post, a gente encontra muitos posts assim, mas escritos por mães é bem bacana ver o relato de um pai e pensar por um outro ponto de vista. Conhecer ambos os tipos ajuda muito e agrega você conhecer ambos os lados e as experiencias passadas , ajuda a descomplicar que vai ou também está passando por esse processo.

Alice Martins

22 de Dezembro de 2018

Olá, Penso que seja realmente complicado cortar esse "cordão umbilical" que prende pais e filhos. Acompanhei de perto como foi o processo da minha irmã com minha sobrinha e por isso tenho consciência de como muda tudo. Até para mim sair de casa, foi um corte doloroso. Creio que ser pais é isso, um corte a cada nova avanço, mas sempre pensando no melhor. Parabéns pelo texto!

Andrea Morais

20 de Dezembro de 2018

Muito legal ver um pai como você que tem participação ativa na criação dos filhos! =D Não tenho, nem pretendo ter filhos, contudo, imagino que deva mesmo ser um desafio vê-los crescendo e ganhando autonomia, pois percebi isso em meus próprios pais...

Paula Marcondes

20 de Dezembro de 2018

Belo texto. Nem só as mães são corujas, as vezes os pais também o são e em grau mais elevado. Cabe dar liberdade e deixar que o filho se desenvolva.

Jordan Martin

18 de Dezembro de 2018

Leandro, descreveu minha rotina por aqui. Queria ter o dom de colocar em palavras todo meu sentimento. Parabéns pelo texto.

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Obrigado pela visita, Jordan.

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.