Celulite orbitária em crianças é emergência médica - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Celulite orbitária em crianças é emergência médica

Oftalmopediatra relata que surgimento pode se dar após quadro de sinusite ou conjuntivite

25 de Fevereiro de 2018
4 comentários

Não, você não leu errado. A celulite também pode atingir os olhos e, se isso acontecer com uma criança, o perigo é maior. A celulite orbitária é uma emergência médica. Segundo a oftalmopediatra Marcela Barreira, a celulite ocular, normalmente, surge após um quadro de sinusite ou de conjuntivite, pois é causada pela mesma bactéria.

Foto: Divulgação

“Alguns estudos apontam que a existência de sinusite, inclusive, é o fator de risco mais comum. Entretanto, a celulite orbitária pode tanto atingir os tecidos ao redor dos olhos, como a região atrás dos olhos, causando danos ao nervo óptico e, em outros casos, danos neurológicos. E essas duas condições são os principais perigos associados a essa doença”, comenta a médica. Quando não identificada e tratada rapidamente, pode levar a um prejuízo visual grave. Para se ter uma ideia, antes dos antibióticos, 20% das pessoas com celulite orbitária perdiam a visão. E mesmo atualmente esse número não é pequeno: 11%. Além da perda visual, uma grande preocupação é que o quadro pode evoluir para uma meningite, com comprometimento neurológico grave

“Como os olhos, os seios da face (os espaços que ficam no interior da face e do crânio), a mucosa nasal e o cérebro estão localizados muito próximos uns dos outros, a celulite, se não tratada rapidamente, pode evoluir para um quadro de meningite”, comenta a médica.  E é por isso que a celulite orbitária é uma emergência médica e deve ser tratada com antibióticos, muitas vezes com necessidade de internação para administração endovenosa”, explica Marcela.   

Como diferenciar a celulite orbitária de outras condições?
A melhor maneira de fazer isso é observar a criança e entender melhor os sintomas. Uma alergia ocular, por exemplo, pode causar inchaço e vermelhidão, que também são sintomas da celulite orbitária.
"Entretanto, o quadro da celulite orbitária é infeccioso, então a criança terá outros sintomas associados, como febre, dor, calor no local e pode ficar mais prostrada, mais quieta do que o normal. Caso isso aconteça, os pais devem procurar um pronto socorro imediatamente”, explica Marcela. 

Crianças são as principais vítimas
Embora a celulite também possa acometer os adultos, ela é mais comum em crianças e adolescentes entre 7 e 12 anos, porque eles ainda não estão com o sistema imunológico totalmente formado. Ainda não se sabe porque, mas meninos têm duas vezes mais chance de ter o problema do que meninas.
O diagnóstico, geralmente, é feito com a ajuda de exames de sangue, que vão confirmar ou não a infecção, testes de visão – por exemplo, o movimento dos olhos, pressão ocular e como as pupilas da criança reagem à luz – e até exames neurológicos, dependendo do caso. “O ideal é que a criança seja internada para administrar antibiótico na veia, cuja ação é mais rápida. Quando tratada a tempo, a celulite orbitária é curada e não deixa sequelas”, finaliza a oftalmopediatra.

(Com Assessoria de Imprensa)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 4 COMENTÁRIOS

Luciiana

27 de Fevereiro de 2018

Nossa que interessante, não sabia da existência dessa doença , ficar atenta Miguel tem com frequência um inchaço na área dos olhos...

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Também desconhecia! :)

Rafael Ricardo @paisolteirotbmsabe

27 de Fevereiro de 2018

Não conhecia, muito obg pela orientação,..

Leandro Nigre

Compartilhando a paternidade ativa

Conte conosco!

Marcus Paulo Andrade

26 de Fevereiro de 2018

Tivemos com meu filho. Foi assustador. E pouco de se fala no assunto.

Glaucia Maria

26 de Fevereiro de 2018

Desconhecia este problema, acho que minha filha já teve sem eu saber que se tratava disso.

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.