Refrigerante na gravidez eleva risco de obesidade infantil - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Refrigerante na gravidez eleva risco de obesidade infantil

Estudo aponta que mulheres que o consomem durante a gestação são mais propensas a terem filhos com excesso de gordura corporal

24 de Agosto de 2017
0 comentários

Em meio ao cenário de epidemia da obesidade infantil, manter uma alimentação saudável na gravidez é fundamental para o desenvolvimento do bebê e a manutenção da saúde da mãe. Um estudo realizado em Boston, o Beverage Intake During Pregnancy and Childhood Adiposity, denominado Projeto Viva, acompanhou 1.078 mulheres grávidas e também os seus filhos, após o nascimento.

Foto: Divulgação

Publicada na edição de agosto da revista Pediatrics, a pesquisa comparou as mulheres que ingeriam bebidas açucaradas, como refrigerantes e sucos adoçados artificialmente, a outras que não consumiam este tipo de bebidas ao longo da gestação. Os filhos pertencentes ao grupo de mães que consumiu maiores quantidades de bebidas açucaradas apresentaram, por volta dos 7 anos de idade, maior concentração de gordura corporal.

A pesquisa reforça o alerta da prevenção da doença logo nas primeiras etapas do desenvolvimento humano. Manter um acompanhamento com nutrólogo, associado ao pré-natal, pode ser fundamental na manutenção da saúde alimentar da gestante e da criança, a curto e a longo prazo. “Durante o acompanhamento são dadas orientações tanto alimentares quanto suplementares. Assim podemos ter um bom desenvolvimento fetal, com menos chances de doenças futuras para a criança, incluindo a obesidade”, explica o médico nutrólogo Osvalmir Sá, da Corpometria.

Alimentação da gestante na gravidez

A gestação é o momento de desenvolvimento de um novo ser, a necessidade de manter uma alimentação correta é grande. De acordo com o especialista, não há algo específico que a mulher precise comer, mas sim ter uma rotina alimentar com muita variedade. “A dieta deve contar desde um simples prato de arroz, feijão, carne e saladas até peixes de origem marinha, castanhas e sementes”, exemplifica o nutrólogo.

Para seguir com um peso saudável nesta fase é preciso ter uma dieta saudável, ou seja, com uma boa distribuição de carboidratos, lipídio e proteínas. “A alimentação balanceada diminui as chances de ganho de peso excessivo na mãe que pode vir a ter alterações de açúcar no sangue, hipertensão e obesidade se propagar após a gestação”, enfatiza.

A máxima de “comer por dois” é um erro muito comum nesta fase. “O certo é comer bem por ela até se sentir satisfeita, não cedendo a excessos de nenhuma forma, pois o que ela come hoje reflete na vida futura do seu filho”, reafirma Osvalmir. Existem recomendações calóricas para todas as pessoas e na gestação não é diferente.

(Com Assessoria de Imprensa)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 0 COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para este artigo.

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.