Vacina, sintomas e tratamento: 8 mitos sobre a gripe - Papai Educa

compartilhando a

paternidade ativa

Leandro Nigre

LEANDRO NIGRE

Pai do Joões, em seu plural consagrado, João Guilherme e João Rafael, esposo da Dayane, jornalista, palestrante, articulista sobre paternidade, especialista em Mídias Digitais, editor-chefe de jornal impresso, em Presidente Prudente.

saiba mais »

Vacina, sintomas e tratamento: 8 mitos sobre a gripe

Formas graves da doença colocam vida em risco e médico sinaliza formas para prevenção e cura

18 de Maio de 2018
0 comentários

Neste ano, a temporada de gripe, nos EUA, causou a morte de, pelo menos, 60 crianças. Uma das razões pelas quais a temporada de gripe 2017-2018 está fora de controle é que a vacina deste ano é menos efetiva, devido à prevalência da estirpe evasiva H3N2. Mas vários outros equívocos - incluindo a crença generalizada de que as vacinas contra a gripe não valem a pena - provavelmente pioraram as coisas. Listamos outros mitos sobre a gripe que colocam todos em perigo.

Mito 1: Você pode se proteger da gripe com um estilo de vida saudável

“Lavar as mãos e comer direito são excelentes defesas de primeira linha contra a gripe, mas você não pode parar um vírus sem uma vacina. Você e sua família precisam de uma melhor proteção do que manter hábitos saudáveis ​​- especialmente porque alguns estudos sugerem que a lavagem das mãos nem sempre o protegerá da gripe”, explica o pediatra e homeopata Moises Chencinski.

Mito 2: Se você ficar afastado de todos, você não deixará as pessoas doentes

“O isolamento por conta própria, uma quarentena, pode fazer você se sentir como um herói (ou um mártir), mas é possível transmitir o vírus antes que os sintomas apareçam. Então esconder-se quando estiver doente não é uma estratégia infalível, embora seja certamente uma boa ideia ficar afastado dos outros, uma vez que os sintomas já tenham aparecido”, explica Chencinski.

Mito 3: Se você ficar doente, a única coisa a fazer é tomar um medicamento

Uma vez que a gripe é uma infecção viral, os antibióticos não farão nada além de matar as bactérias boas do intestino. “E, embora o Oseltamivir seja comercializado como uma opção de tratamento para reduzir a duração da gripe e aliviar seus sintomas, a droga não é efetiva para todos, não é uma cura. Por causa de seu alto custo, para não mencionar a fraca oferta e eficácia, se não administrado logo no início do quadro,muitos médicos não o consideram uma solução para a gripe”, explica o pediatra.

Mito 4: Vacinas podem causar a gripe
vacina gripe

Não é possível pegar a gripe por meio da vacina. As vacinas atuais contra a gripe contém vírus inativados ou "mortos”.  “É verdade que algumas pessoas contraem a gripe pouco depois de receberem as vacinas, mas é só porque já estavam doentes e assintomáticas quando se vacinaram. Também é possível que os sintomas gripais - cefaleias, náuseas e até mesmo febre de baixo grau - possam ser causados ​​pela produção de anticorpos contra a vacina. Mas certamente esses sintomas não são piores que uma gripe”, destaca Moises Chencinski.

Mito 5: Grávidas e crianças não devem receber vacinas contra a gripe

Toda a família precisa da vacina, a menos que um médico indique o contrário. O CDC recomenda que todas as mulheres grávidas recebam a vacina contra a gripe, excluindo complicações específicas, e os estudos sugerem que essa vacina realmente reduz o risco de abortos espontâneos e o nascimento de natimortos. Enquanto isso, há evidências de que a vacina é até 83% efetiva na redução do risco para crianças pequenas.

Mito 6: Vacinas de gripe causam narcolepsia, doença de Alzheimer, etc.

É verdade que uma vacina europeia contra a gripe suína esteve ligada à narcolepsia, em 2009, mas isso nunca se aplicou à vacina contra a gripe sazonal. Também não existe uma relação cientificamente comprovada entre vacinas contra a gripe e a doença de Alzheimer - uma falácia que é especialmente perigosa para idosos, que estão em maior risco de complicações relacionadas à gripe. “Outros incidentes, por exemplo, um caso amplamente divulgado de uma mulher que afirmou que ela só poderia caminhar para trás depois de se vacinar contra a gripe, provou ser puramente psicológico. Apenas para registro, as vacinas nunca causaram problemas de saúde mental, incluindo o autismo”, diz o médico.

Mito 7: É muito tarde para se vacinar

É verdade que a vacina da gripe pode demorar até duas semanas para imunizar o organismo. Mas é preciso enfatizar, uma vez mais, que, as pessoas  devem receber a vacina anualmente.

Mito 8: A gripe é uma doença benigna

Gripe não é resfriado. São duas doenças diferentes. A gripe mata mais pessoas nos Estados Unidos, todos os anos, do que o vírus Ebola matou na história do mundo. No ano passado, 34 milhões de americanos pegaram gripe, 710 mil foram hospitalizados e cerca de 56 mil morreram - 148 deles eram bebês e crianças. “E, embora as crianças e os idosos estejam em maior risco, adultos perfeitamente saudáveis ​​podem morrer da gripe. A gripe não é um rito de passagem do inverno, e certamente não é uma doença benigna. A melhor maneira de se proteger é tomar a vacina contra a gripe”, orienta o pediatra. (Com Assessoria de Imprensa)

Bronquiolite e a alta incidência em crianças e bebês no inverno

Sinusite não tratada pode levar a complicações mais sérias

Médica orienta para prevenção a doenças respiratórias

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O comentário é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não representa a opinião deste site. Após avaliação, ele será publicado. Seu email será preservado.

MAIS 0 COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para este artigo.

© 2016 Papai Educa. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido Prudente Empresas

Assine o blog

Inscreva-se e receba atualizações
do nosso conteudo no seu email.